07 de junho de 2018

Codevasf e Exército promovem contenção de processos erosivos às margens do São Francisco

A obra está acontecendo graças a uma parceria entre a Codevasf e o Exército Brasileiro, por meio de seu 4º Batalhão de Engenharia de Construção – sediado em Barreiras, no Oeste baiano.

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado todos os anos no dia 5 de junho (terça-feira) e a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) vem realizando diversas ações que promovem justamente o cuidado com o meio ambiente. Uma das principais ações relativas ao tema no Médio São Francisco baiano, área de atuação da 2ª Superintendência Regional da Companhia, está em curso no município de Barra.


Uma ação está promovendo a contenção de processos erosivos em um trecho de 2,8 quilômetros às margens do rio São Francisco, no distrito de Porto Novo, na comunidade de Itacoatiara, que fica a cerca de 60 quilômetros de distância da sede do município de Barra. A obra está acontecendo graças a uma parceria entre a Codevasf e o Exército Brasileiro, por meio de seu 4º Batalhão de Engenharia de Construção – sediado em Barreiras, no Oeste baiano. O investimento na ação é de cerca de R$ 9 milhões viabilizados em um termo de execução descentralizada firmado entre as instituições.


“Começamos o serviço com o corte de talude, com uma inclinação suave de um metro na vertical e três metros na horizontal. Fizemos uma sondagem anterior para nos certificar de que esse corte seria adequado e a inclinação, razoável, dá uma coesão boa para o material, sem provocar o processo erosivo. Após esse corte, fizemos a semeadura do local, jogando um coquetel de sementes, junto com adubo, na região do corte de talude. Também plantamos mudas com um tamanho maior, para dar mais resistência ao talude”, explica o Tenente Carlos, engenheiro civil do 4º Batalhão de Engenharia de Construção.


“A ideia é que seja provocada erosão nas margens do rio de maneira menos intensa. Eliminar completamente a erosão é impossível porque a ação do rio e a própria característica do terreno, em uma área sedimentada, onde sempre há de acontecer erosões, não permitem. Mas, com a inclinação do barranco bem suave, diminuirá bastante. Além disso, também será feito um reflorestamento com mudas nativas. Essa área foi escolhida por ser um local que já estava bastante erodido e em função também de possuir um agrupamento humano, com cerca de 25 famílias”, conta Luiz Geraldo Bastos, técnico da Companhia, e fiscal da ação.


“Fizemos, ainda, dez locais apropriados para que os animais possam ter acesso ao rio, já que a inclinação é mais suave que nos taludes Já as áreas semeadas e onde foram plantadas as mudas fica cercada para evitar que os animais e, mesmo os humanos, destruam a vegetação. Está previsto para o próximo ano o serviço de pavimentação do setor urbano, com blocos de concreto, pré-moldados, e também fazer toda a parte de meio-fio e de drenagem do setor urbano para que a água já desemboque no rio sem fazer erosão no talude”, diz o Tenente Carlos.


“Ficamos muito felizes por perceber o impacto positivo que a nossa ação vem causando na população local. A nossa contribuição social aqui é relativa à dignidade que essa obra proporciona para os moradores do povoado porque a erosão da margem do rio é tão grande que estava se aproximando das casas dos moradores. Essa obra vai evitar que a erosão chegue às casas dos moradores. A ação, evitando a erosão das margens, diminui o assoreamento do rio, contribuindo ambientalmente, melhorando, inclusive, a vida dos peixes no rio”, diz Capitão Machado, comandante da 2ª Companhia de Engenharia e Construção do 4º BEC.


“Antes, os barrancos daqui tinham uma inclinação muito grande e o rio ia forçando por baixo, provocando processos erosivos. Esse barranco, então, vai caindo. Se a situação fosse mantida, o rio continuaria erodindo por baixo e o barranco continuaria caindo. O corte do talude na inclinação suave escolhida ajuda na prevenção da erosão provocada pelo próprio rio”, complementa Capitão Machado, comandante da 2ª Companhia de Engenharia e Construção do 4º BEC.


A população local demonstra animação com a obra e o futuro do local. “Nós estamos muito felizes com essa obra porque estávamos com dificuldade para descer ao rio, colocar nossas embarcações. Até meus filhos me acompanham na pescaria e já podemos colocar os nossos barcos na água sem que o barranco venha a cair em cima, quebrando tudo. Estamos vendo muitas melhoras e acredito que vai dar tudo certo. Já está melhor e imagino que vai ficar ainda melhor no futuro e o nosso lugar está sendo valorizado”, diz Safira Silva, moradora do local.


“A ação está deixando isso aqui uma maravilha. Tudo planinho. Além disso, temos acesso ao rio, algo que no passado estava muito difícil pra descer, até para poder contemplar a beleza do rio São Francisco. Só tinha barranco, caindo, caindo. E agora não vemos mais. Hoje, temos acesso livre à margem do rio, está bacana, as árvores já estão crescidas. Estamos muito contentes com essa obra e esperamos que, até o término dela, tenhamos sempre mais conquistas”, diz Adaílton Araújo, morador do local.


Fonte: Ascom/Codevasf