16 de setembro de 2016

Robério Cunha é candidato a prefeito de Gentio do Ouro

Durante a entrevista, Robério prometeu não empregar ninguém de sua família, ou de outros municípios, se eleito for. “Não vou trazer ninguém de meus familiares, tampouco de municípios vizinhos”, disse.

ENTREVISTA | Robério Gomes Cunha, 49 anos de idade, com formação em contabilidade e advocacia, é candidato pela quarta vez – coligação PDT, PCdoB, e PSB - a prefeito de Gentio do Ouro (BA). Robério promete governar com a participação do povo, ouvindo, em especial, as comunidades. Durante a entrevista, Robério prometeu não empregar ninguém de sua família, ou de outros municípios, se eleito for. “Não vou trazer ninguém de meus familiares, tampouco de municípios vizinhos”, disse.

 

Jornal Pagina Revista | Robério Gomes Cunha, você é tido pela oposição, como um ‘Candidato Forasteiro’. Como candidato, vê diferença, na administração de um gestor, nascido e criado no município, e na administração de um nascido e criado fora do município?

 

Robério Gomes Cunha | Evidente que não, até porque não escolhemos o lugar pra nascer e sim, para viver; eu amo Gentio do Ouro, tanto é que já disputei três eleições, estou indo para a quarta, e isso já demonstra o meu compromisso com o Município, e com o meu povo. Já tivemos exemplos de gestores que governaram, sem ser filho do município e desempenharam bons mandatos, como é o caso de Eser Rocha, ex-prefeito de Xique-Xique, que nasceu em Santo Inácio, município de Gentio do Ouro; e Jaques Wagner, que foi governador da Bahia, e assim por diante. Contudo, não me considero ‘forasteiro’, tenho imóveis aqui no Município, dentre eles, um ponto comercial que era locado para a Cesta do Povo; o prédio onde funciona o Banco do Brasil, duas fazendas (Olhos D’água, e Mineiro), pago IPTU, e contribuo da mesma forma, ou até um pouco mais do que muitos que se dizem filho da terra. Na minha concepção política, não vejo diferença em ser filho da terra, ou não, pra governar um município. O que importa em um político é cuidar das pessoas, oferecer os serviços essenciais para a população, ser transparente com os recursos públicos e informar à população quando adquirir bens particulares, a origem dos recursos adquiridos etc.   

          

Pagina Revista | O candidato se sente preparado para governar o município de Gentio do Ouro? Em suas análises, quais os pontos mais críticos, carentes de intervenção imediata? Qual área você primará, caso saia vitorioso?

Robério Cunha | Sim, estou preparado. Tenho formação acadêmica, sou advogado, conheço as dificuldades do Município, conheço as pessoas e já trabalhei na administração pública como tesoureiro. Quanto aos pontos de intervenção imediata, temos três áreas: a saúde, tendo em vista, que não podemos mais aceitar que os médicos saiam do nosso Município por falta de pagamento; iremos contratar e pagar mais médicos, inclusive, com especialidades diferentes, e o paciente poderá fazer, de forma gratuita um Raio X, Ultra Som e preventivo; além de suprir, de uma vez, a constante falta de medicamentos na zona hospitalar. Na educação também, tendo em vista que os funcionários não são bens remunerados, não há valorização profissional, o transporte escolar precário e a merenda de baixa qualidade. A segurança pública também é fato grave, em razão de atualmente, no Município, contar com apenas três policiais e uma única viatura, e que quando danifica, a ronda é feito a pé. Iremos também reativar a locação do imóvel onde abriga os policiais da CAESA e, solicitar, junto ao Governo do Estado, a Construção de uma delegacia policial.   

  

Pagina Revista | Ainda na suposição de sair vitorioso, quais critérios você usará na escolha do seu secretariado?

 

Robério Cunha | De forma técnica, aliando pessoas de mais idade, com experiência em administração pública, com aquelas mais jovens, que tem potencial, mas que ainda não viveu experiência na administração pública.

 

Pagina Revista | A oposição liga seu nome, ao do seu pai, Getúlio Reginaldo Cunha, ex-prefeito no Município. E um dos receios de muitos, é de que você contrate seus familiares, e pessoas de outros municípios para ocupar cargos públicos em Gentio do Ouro.

 

Robério Cunha | Não vou trazer ninguém de meus familiares, tampouco de municípios vizinhos. Estou assumindo esse compromisso de público, bem como, com o povo e com os integrantes dos partidos políticos da nossa coligação, até porque, em nosso Município têm pessoas habilitadas para desempenhar qualquer cargo público dentro de uma administração.   

 

Pagina Revista | Sabe-se que a segurança de um município é dever do Estado. Caso eleito, o que você fará para melhorar a segurança no município de Gentio do Ouro?

 

Robério Cunha | Farei o dever de casa. Aumentarei o efetivo, disponibilizarei um carro do Município à Polícia para quando a viatura estiver impossibilitada; locarei um imóvel para os policiais da Caesa e, cobrarei, junto ao comando, a presença de todos, com constância na sede do Município, distritos e Zona Rural.

 

Pagina Revista | A sede do Município está ‘ajeitada’, maquiada. Naturalmente, uma estratégia de um governo inoperante. Os povoados estão abandonados, muitos sem água potável, sem estradas, sem prédios escolares em boas condições, dentre outras necessidades. Existe algum plano especial de governar para todos, caso você seja eleito prefeito de Gentio do Ouro?

 

Robério Cunha | Sim, teremos um governo participativo, ouvindo as pessoas das comunidades e cada uma delas apontando qual o seu problema principal. Por exemplo, por qual razão temos falta d’água, se é uma bomba danificada, poço abatido, ou com baixa vazão; se for o caso da primeira hipótese, compraremos uma bomba nova com uma potência maior e, na segunda, perfuraremos um novo poço. Com relação às estradas, temos máquinas doadas pelo Governo Federal do programa do PAC, como patrol, pá carregadeira, carros pipas, caçambas etc. Não há mais razão para manter estradas intransitáveis. Quanto aos prédios escolares, faremos uma boa reforma.

 

Pagina Revista | A educação no Município está abandonada, e os professores, desvalorizados. Muitos professores, ao terminar o ensino médio, imediatamente são contratados, sem avaliação alguma. Se eleito, qual será o critério para contratação?

 

Robério Cunha | Como disse anteriormente, o critério é técnico, ou seja, profissionais formados em magistério, graduados em pedagogia, letras, e aqueles com vasta experiência em sala de aula.

 

Pagina Revista | São constantes os atrasos nos pagamentos dos funcionários públicos concursados. Se eleito for, resolverá a questão? E quanto aos comissionados que, de acordo com relatos ficam três, quatro meses sem receber seus pagamentos?

 

Robério Cunha | Sim, gestor que se preza e que cuida do seu povo, paga seu funcionalismo rigorosamente em dia; não dá mais pra aceitar esse descaso com os servidores públicos. Iremos criar um calendário com data-base para recebimento de seu salário, até porque, isso não é uma generosidade minha e, sim, uma obrigação de qualquer gestor público.   

 

Pagina Revista | Se eleito for, o que o candidato pretende fazer para melhorar o lazer dos jovens? O que seria implantado para o crescimento e o aprendizado dos mesmos? É preciso resgatar esses jovens do mundo das drogas e da prostituição. Existe algum plano para resgatá-los?

 

Robério Cunha | Sim, iremos implantar projetos para descobrir talentos, buscando ver a habilidade de cada um. Por exemplo, se é um bom pintor, músico, jogador de futebol, se tem talento para artes de combate etc. Iremos, também, propor aulas de Capoeira, Karate, Judô, promover campeonatos distritais, festivais de música e gincanas culturais.