17 de junho de 2016

Estratagemas da política

GENTIO DO OURO | Por um lado, lado da situação, um texto defensivo [contra um ataque?]. Do outro lado, oposição, rebates certeiros, coerentes e éticos que desnorteiam a situação.

 

Recentemente, na rede social Facebook, o atual prefeito do município de Gentio do Ouro postou um texto em sua página, como se indignado com as ‘perseguições’ da oposição, encabeçada pelos pré-candidatos Robério Cunha (para prefeito), e Alfredo Franca (para vice-prefeito).

O leitor interpretará o texto apresentado pela base da situação, e chegará às suas próprias conclusões. Interpretará, ainda, dois textos rebatendo o posicionamento da base da situação.

 

Veja o que diz o texto da situação:

 

 

SITUAÇÃO | Mais uma vez, a oposição apela para a mentira.
Agora, o ataque é contra os contratos, denunciados ao Ministério Público para retirada do pessoal contratado, ou seja: médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e de serviços gerais, professores, zeladores de prédios escolares e de água.

Você, que assim como eu, ama Gentio do Ouro, acha que esse pessoal está pensando em nós?
Infelizmente, não!

 

São aproveitadores que não têm, sequer, coragem de assinar qualquer denúncia. Usam nomes de laranjas para denunciar o prefeito. Mas nós sabemos quem está por trás de tudo isso. Trata-se de uma oposição rasteira que tem o único objetivo de prejudicar os contratados que precisam do seu ganha-pão para sobreviver. Opositores, o que falta em vocês é honra e coragem! Coloquem-se no lugar dessas pessoas, que precisam dos seus salários para sobreviver!


Que vergonha, inimigos de Gentio do Ouro...

 

Enquanto o povo precisa de chance e oportunidade de trabalho, eles querem desempregar quem já está trabalhando. Só penso que essa denúncia já é parte do plano de governo deles: forçar a demissão dos gentiourenses, para que em 2017 as nossas oportunidades sejam preenchidas por pessoas de Xique-Xique.

 

A nossa luta é em defesa do nosso povo. Nosso papel é deixar toda a população ciente do que a oposição pensa e deseja para nossa cidade. Nós lutaremos. Nos uniremos cada vez mais e, juntos, não deixaremos isso acontecer!

 

*Da REDAÇÃO | Postagem veiculada na página do prefeito de Gentio do Ouro, Ivonilton Vieira Santos.

 

REBATENDO I

 

Reinato Silva | Peço licença para tecer um comentário. 
Não tenho nada contra os contratados e acredito que as pessoas de fato, têm direito a emprego e renda; por isso, junto com o grupo Gentio do Ouro em Foco, fomos cobrar da empresa CER Energia que contratasse pessoas de Gentio do Ouro - não de outras cidades - para trabalhar nas obras de construção do parque eólico, já que ele localiza-se em nosso Município tendo, inclusive, acontecido uma audiência pública sobre o tema na Câmara de Vereadores, no ano passado. Infelizmente, sem apoio do poder público, não logramos êxito.
 
Mas a questão não é quem está contratado, mas a forma como esta contração está sendo feita. 
A lei maior que existe no Brasil, que é nossa Constituição Federal de 1988, diz, em seu artigo 37 o seguinte: "(...) Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (...) 

II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração; (...)"

Pois bem, sabendo isso, questiono: Se havia a necessidade dos funcionários, porque então não fizeram um concurso público para contratação ou não chamaram os aprovados no último que foi realizado? 

Quais são os critérios para estas contratações?
E o seletivo que deveria ser realizado antes destas contrações, conforme está previsto no Art. 5° da lei municipal que foi APROVADA recentemente pela Câmara de Vereadores, autorizando o Poder Executivo a fazer tais contratações, quando será feito? 

O concurso público é a forma mais justa e correta de ingressar no serviço público porque valoriza as pessoas pela sua meritocracia e não privilegia A ou B por qualquer que seja o motivo.

 

REBATENDO II

 

Karlla Forte | A população deve estar ciente. Tem que abrir o olho. Ninguém é trouxa mais não. O povo, sim, almeja uma chance, uma oportunidade de trabalhar. Mas é tão interessante, porque essa tão sonhada oportunidade de trabalho para muitos só veio agora, poucos meses antes da eleição? Quantos nos anos anteriores bateram às portas da prefeitura buscando essa mesma oportunidade e lhes foi negada? Mas agora pode, tudo pode. Têm setores agora que estão abarrotados de gente trabalhando, sem necessidade nenhuma. Qual o objetivo disto? Como estão bonzinhos! Até a pouco só conseguia emprego, um cargo, quem fazia parte da panelinha, quem bajulava. Uns privilegiados, outros discriminados.

 

Quantas oportunidades de emprego para os munícipes a gestão municipal perdeu para Xique Xique? Quantos de Xique-Xique, e quantos de Gentio do Ouro trabalham na empresa eólica que está em nosso Município? E isso o gestor não foi reivindicar (e era um dever dele). Engraçado, né? Agora vem dizer que em 2017 o povo do outro município virá tomar os empregos do povo daqui. Essas oportunidades já foram tomadas, o povo gentiorense ficou e continua chupando o dedo e ninguém da gestão municipal se importou.

Contrato desnecessário e irregular não é oportunidade, é cabresto. Oportunidade de trabalho justa, digna e igual para todos é concurso público e não escolhendo um ou outro pra trabalhar para, assim, ganhar apoio de toda a família, “porque está ajudando”.

E ainda tem outra: esses jovens, pais e mães de família, por mais que trabalhem, continuam passando a dificuldade [por] falta de dinheiro, pois passam meses sem receber e nem sabem se verão a cor do salário que lhes é seu por direito. Esse ganha-pão é muito mais sofrido e humilhante do que se pensa. É uma vergonha.

 

Depois vem falar de um candidato que não reside no Município. Mas, e o gestor, que pouco se vê a cara? Pois se refugia no seu império fora do centro da cidade aonde o povo não tem acesso. Fica lá, comandando de cima, dando ordens aos seus subordinados. Adora um poder centralizado. Seu lugar de trabalho é na prefeitura, e dificilmente o vemos lá. Mas, a essa altura, talvez já seja possível encontrá-lo no seu lugar de trabalho. Deve estar atendendo às “necessidades do povo”.

 

[Mas] comentaram sobre o candidato a vice, colocando-o como alguém que não se pode contar e não tem pulso. Pois é. Mas, e o vice-prefeito da gestão 2012 a 2016? Quem é? Cadê? Ah, não! É uma vice-prefeita que ninguém sabe, ninguém vê, nem se sabe como ela chegou lá. Impressionante! Essa foi a declaração mais infeliz apresentada à sociedade, falando da trave do outro e esquecendo-se da trave que está no seu olho.

 

E como é que diz que a chapa é 90% forasteira, se os pré-candidatos a vereadores são do Município? Bem controverso, não? É preciso medir, analisar as palavras e saber o que se diz, porque para tudo há resposta.

 

Parem de se fazer de coitadinhos. Todo mundo está vendo a podridão que rola aí, que tentam esconder embaixo dos panos. Muita gente tem que cair para voltar à humildade. Se não houver oposição, não vai mudar a situação.

 

[   ] Da REDAÇÃO do Pagina Revista.