15 de dezembro de 2016

Capela Sra. Santana do Miradouro é restaurada pelo IPAC

Equipe do IPAC, parceiros e comunidade Miradouro.

Os xique-xiquenses e a comunidade do Miradouro, nessa segunda, 12 de dezembro de 2016, receberam do IPAC, da Prefeitura e da Paróquia duas importantes etapas da intervenção restaurativa da Capela Senhora Santana do Miradouro: a consolidação e estabilização estrutural e a restauração dos bens artísticos da capela-mor, das esquadrias, do guarda-corpo do coro e do púlpito.

 

O ato solene da entrega contou com a presença do prefeito Alfredo Ricardo Bessa Magalhães, da minha presença como coordenador da intervenção restaurativa no monumento, naquele ato, também representando o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, de toda a equipe de restauradores e da comunidade. De posse da palavra, o prefeito e a representação do IPAC falaram brevemente sobre a história de Xique-Xique, a importância arquitetônica, artística, histórica e cultural da Capela e também sobre a intervenção restaurativa que, segundo o IPAC, traduzia de forma eloquente a missão do órgão em todo o Estado.

 

Em seguida, houve uma apresentação de slides, mostrando todo o processo da intervenção restaurativa até aquele momento e a celebração da missa pelo padre Cláudio Nogueira.


A capela Senhora Santana do Miradouro é um monumento tombado pelo Estado e as obras foram possíveis graças a uma parceria muito bem sucedida entre o IPAC - Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia -, a prefeitura de Xique-Xique e a paróquia Senhor do Bonfim, com um apoio expressivo das comunidades do Miradouro e de Xique-Xique e, em particular, da Associação de Mulheres de Xique-Xique.

 

Uma intervenção deste tipo, em um monumento que sofreu intervenções ao longo do tempo e que se encontra em processo de arruinamento, como é o caso da capela do Miradouro, é sempre uma intervenção de grande fôlego e é da competência do arquiteto restaurador coordenar, articular as diversas disciplinas e etapas e definir as posturas restaurativas em uma abordagem que considere a arquitetura, com seus elementos constitutivos, tipológicos e seus bens integrados, como uma obra de arte única, com os seus elementos dialogando em harmonia. O objetivo final da intervenção restaurativa é restabelecer a unidade dessa obra de arte, no caso, a Capela e o entorno que a compõe, sua ambiência.

 

Na primeira visita técnica, em setembro de 2012, definimos a estratégia da intervenção que comportou duas ações emergenciais: a primeira, ocorrida em dezembro do mesmo ano, colocou os bens artísticos a salvo, na Igreja de São Francisco, na sede do Município, a segunda, a estabilização estrutural da Capela, incluindo a recuperação total da cobertura, por envolver diversos atores, só pode ser preparada em 2013 e efetivada em 2014. O ano de 2013 foi, portanto, um ano de preparação das ações seguintes.

 

Como arquiteto da Coordenação de Projetos e Obras, em 2013, coordenei a contratação e elaboração do projeto, realizado pelas engenheiras Rosana Muñoz e Ana Cristian Magalhães e consultoria do professor arquiteto Mário Mendonça, compatibilizando as soluções propostas. Em seguida, coordenei a execução e fiscalização das obras estruturais também contratadas pelo IPAC. O projeto foi concluído em abril de 2013 e, no final do ano, a empresa pôde ser contratada para executá-lo na íntegra, sendo as obras concluídas, após alguns entraves, no final de 2014. Em paralelo, articulamos com a direção geral, o tombamento e a assinatura do Termo de Cooperação Técnica, ambos envolvendo a Prefeitura e Paróquia.

 

A assinatura da Notificação de Abertura do Processo de Tombamento ocorreu em junho de 2013, em ato solene na Câmara de Vereadores de Xique-Xique, com as presenças do prefeito, Alfredo Ricardo Bessa Magalhães, padre Elcio Inácio Pinheiro, que receberam a Notificação trazida por mim que, no ato, representava o então diretor geral do IPAC, Frederico Mendonça.


O Termo de Cooperação Técnica só foi assinado em dezembro de 2013 e permitiu a montagem do ateliê de restauro, em imóvel alugado pela Prefeitura, e início da restauração dos bens artísticos e integrados que começaram praticamente ao mesmo tempo que as obras de reforço estrutural e cobertura, ambas entregues no último dia 12.

 

O restauro dos bens artísticos e integrados foi realizado por administração direta pelo IPAC, com o apoio da Prefeitura, Paróquia e comunidade local, através da Coordenação de Restauro do órgão, coordenada pela restauradora Káthia Berbert. Essa ação foi estruturada com a formação de duas equipes de técnicos restauradores que se alternavam em Xique-Xique sob a responsabilidade das restauradoras Célia Moura e Roselita Sá Barreto Oliveira.

 

Como se pode observar, objetivamos realizar uma intervenção restaurativa completa, que está sendo realizada em imóvel isolado, que se encontrava em processo de arruinamento, possuidor de bens integrados de valor artístico e, como acontece frequentemente, com peculiaridades que requerem soluções específicas. Por essa razão, apesar do êxito na execução dessas duas etapas fundamentais, ainda faltam etapas a vencer para assegurar a integridade e unidade do monumento, bem como a sua gestão sustentável, o que requererá uma atenção especial e um grande esforço por parte das instituições e da comunidade.

 

Atento a essa questão, na função de coordenador da intervenção restaurativa, apoiei, com satisfação, a iniciativa da presidente da Associação de Mulheres de Xique-Xique, Zélia Jacobina, grande parceira em momentos decisivos, orientando a elaboração de um projeto para inscrição no Edital Setorial de Patrimônio Cultural do Fundo de Cultura da Secretaria de Cultura do Estado, objetivando a realização da penúltima etapa desse longo processo restaurativo participativo e sustentável, que serão primeiro, a finalização da restauração arquitetônica – restauração do reboco, pisos internos e externos, elementos decorativos das fachadas e pintura das paredes portas e janelas – e, segundo, a elaboração do projeto arquitetônico de um espaço multiuso em apoio à Capela, voltado para as necessidades da Comunidade do Miradouro e Paróquia, a ser construído no local da ruína da casa localizada ao lado. Esse projeto foi aprovado por unanimidade, por mérito, e encontra-se em fase de análise da documentação para a assinatura do Termo de Acordo e Compromisso e recebimento dos recursos. Vamos torcer para que tudo dê certo!

 

José Carlos de Oliveira Matta – Arquiteto.

 
Veja, a seguir, algumas imagens do antes, e depois:

 

Abóbada facetada, antes, e depois.

 

Altar-mor, mesa de celebração e tronos. Antes e depois

 

Altar-mor, forro do camarim, nicho, tronos. Antes de depois.

 

Frontão altar-mor. Antes e depois.

 

Equipe de restauro, e padre Cláudio.